O que foi exposto com a delação de Joesley Batista, dono da JBS

joesley-batista

Dono de uma das maiores empresas de proteína animal do mundo e um dos maiores doadores a campanhas de 2014, Joesley Batista implodiu Brasília com seu acordo de delação premiada. O dono da JBS entregou ao Ministério Público gravações nas quais registra pedidos de propina de Michel Temer, Presidente da República, e Aécio Neves, Presidente do PSDB.

Em gravações, Temer acerta a compra do silêncio de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do doleiro Lúcio Funaro, ambos presos. Além disso, indica o pagamento de R$ 500 mil em propina ao deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), para que o mesmo resolvesse um assunto de interesse da JBS.

Joesley gravou também o momento em que acerta o pagamento de R$ 2 milhões a Aécio Neves. O dinheiro foi entregue a Frederico Pacheco de Medeiros, primo de Aécio, e posteriormente depositado em empresa do  senador Zezé Perrella (PSDB-MG). Todo o movimento do dinheiro foi acompanhado pela Polícia Federal.

Sobre Cunha, Joesley afirmou em delação que efetuou o pagamento de R$ 5 milhões ao ex-deputado, referentes a propina pela tramitação da lei sobre desoneração tributária do setor de frango. O empresário ainda afirmou que devia mais R$20 milhões a Cunha.

No PT, Joesley afirmou que seu contato era o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, que defendia os interesses da JBS no BNDS, e repassava a propina ao Partido dos Trabalhadores e aliados.

fonte: Zero Hora

Comentários